Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010
Asas que tive

 

 

As asas que eu tive,

perdi,

morri

nelas e por elas

desci aos infernos,

subi

às estrelas,

cresci

por tê-las,

senti-las, vivê-las,

e por fim

perdê-las!

 

Que é feito delas?

Eram tão belas,

as asas que me içavam

até ao infinito?!

 

by PC, em 17.Set.2010, pelas 16h00


Palavras chave: , , ,

publicado por Paulo César às 16:07
link do post | Adicionar às escolhas

De rosafogo a 3 de Outubro de 2010 às 15:45
Andei por aqui lendo, quanta poesia nova, encontrei,
que ainda não tinha lido. Mas hoje arranjei um tempinho e adorei, a leitura, agora fico com tudo em dia.
Um beijo da amiga
natalia,

Desejo que esteja tudo bem contigo.


Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

Há quanto tempo?

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds