Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

30.11.09

Poema insolente


Quero o tudo e o nada

para que nada me falte

e tudo me torne

pusilânime

e imbecil!

 

À semelhança dum animal

pré-jurássico

quero garras insolentes

e uma força aterradora

que me distinga

sem necessidade de marca!

 

Almejo a demência

a voracidade

o despropósito

a medonha aura

dum chacal

ou dum abutre

pronto a atacar os despojos

da carne infecta!

 

Onde a paz existir

levarei o terror

no lugar do silêncio

plantarei a escarninha dor

em vez de luz

trevas e sombra

que alimentarão o medo

e submeterão os sonhadores!

 

Proibido será o amor,

as lágrimas

e a saudade!

 

A orfandade germinará

no pântano da existência

e as papoilas outrora rubras

hão-de tornar-se roxas

como o luar de Agosto!

 

Quero o tudo e o nada!

Ou tudo... Ou nada!

 

 

by Paulo César, em 25.Nov.2009, pelas 19h10

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.