Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

24.11.09

Vagarosa tarde


 

Vagarosa tarde,

quase noite,

porque vieste agora

acordar os meus olhos

vazios

para a luz preguiçosa?

 

Diabólica noite

de passos segredados,

que trazes, à solta,

nos cabelos de sombras

ou nos pingos inquietos

dum beiral incómodo?

 

Sonolenta aragem fria,

impiedosa invasora

das frinchas das casas

sem vivalma,

porque devassas a minha pele

tisnada do sol que foi?

 

Derradeira esquina,

que tropeças na avenida larga,

onde os candeeiros jorram

o caudaloso frenesim da luz,

que palavras ficaram

da correria indigesta dos dias?

 

Vagarosa tarde...

Deixa que levante ferro

deste pranto de palavras

alinhadas

e vá ao encontro do longe,

do nunca,

do jamais,

qual papagaio de papel

que o azul sugou,

como se fora ladrão

do espanto

e da loucura!

 

Deixa que me erga

suspenso e irreconhecível

na corrente

e expluda feliz

e sem cerimónia

uma chuva de risos,

como estrelas cadentes

ou flocos diminutos de neve.

 

Deixa! Deixa que morra

para renascer em cada dia

no sol pequenino

de ser teimosamente

poeta!

 

by Paulo César, em 23.Nov.2009,pelas 20h30

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.