Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

No Chão d'Água...

Ah, quem escreverá a história do que poderia ter sido? (Álvaro de Campos)

11.04.07

Da minha janela




 

Da minha janela eu vejo mais

do que vejo quando olho

para tentar ver...

Vejo os cumes altos...

Vejo os vales fundos...

Vejo as nuvens em vagas

que vogam ao sabor do vento...

Vejo os teus passos apressados

na pressa de chegar...

Vejo o pássaro louco

planar na corrente suave

e cair a pique como se desmaiasse...

Vejo a lua redonda encher-se de luz

e plantar-se vaidosa no meio

da Via Láctea...

Vejo, no horizonte, o céu beijar

a terra, num beijo conspícuo,

como se quisesse esconder o amor...

Vejo um rio imóvel correr para um mar

que eu sei estar na confluencia da foz,

junto à rebentação, na entrada da barra...

Vejo um formigueiro de gente...

Vejo um barquito ondulante no dorso das ondas...

Vejo telhados, janelas, ruas, automóveis, bulício...

Vejo gente como eu a olhar para ver,

do alto das suas janelas abertas,

o mundo que se agita convulsivo lá fora...



Da minha janela aberta,

de par em par,

eu consigo alcançar o torvelinho

dos meus sonhos

e com os olhos bem abertos

adormecer no encanto de ver

como é belo o mundo visto,

com olhos de ver,

do alto da minha janela.

 

by Paulo César, em 11.Abril.2007, pelas 21h50