Terça-feira, 4 de Agosto de 2009
Dádiva

 

Não me dês apenas

a beleza serena do teu olhar,

ou o carinho sem medida

do teu abraço envolvente,

ou a doçura impiedosa

do teu beijo fugidio!

 

Dá-me o segredo

guardado nos teus silêncios

desérticos,

a paz cristalina

das tuas ausências

introspectivas,

a fragância paradisíaca

das tuas palavras

sensatas!

 

Ensina-me a ser

o pastor das tempestades,

das marés vivas,

da ventania ribombante...

o domador da escuridão,

do medo e da vertigem...

o curador das dúvidas,

das interrogações repetidas,

dos ses e dos mas de cada instante!

 

Mostra-me o caminho da luz,

dos dias que nascem de noites enluaradas,

das horas que se sucedem

e se somam a tempos de busca,

quando o espanto se posta no olhar

escancarado e abre de par em par

as portadas do futuro,

com sorrisos especados

em lábios de mil sois e campos

floridos.

 

Deixa que tome o bordão a que te amparas,

para com ele subir ao cume

extenuante do teu corpo

e à profunda quietude da tua alma.

Deixa que prove da tua seiva vivificante

e, na dádiva do teu âmago genuino,

saiba concretizar a viagem sem regresso

ao lago do infinito,

onde mora a aurora boreal

do teu sorriso sem igual.

 

by Paulo César, em 04.AGO.2009, pelas 11h15

 


sinto-me: sei lá...

publicado por Paulo César às 11:49
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Sexta-feira, 3 de Julho de 2009
O suor das palavras

 

Pedra sobre pedra
Construção
Ou só rumor
Argamassa que nos prende
Alvoroço
Canto e desencanto
Alegoria
Penedo da saudade
Maresia
E umas asas de voar a medo
Na sincopada cadência
Dos dias inteiros
Com sinais de fogo
No peso das horas.
 
Maré-cheia de auroras
Viagem sem regresso
Utopias
E um sono lento
Nas noites de vela
Com estrelas cadentes
Penduradas
No firmamento
E murmúrios de solidão
Em deambulações
De poeta.
 
Papel branco
Apenas
E de alto abaixo
O suor das palavras
Escorrendo liquidas
Até ficar redondo
O espaço e o tempo.
 
Dor, desatino e paixão
Pressa e pesadelo
Ventania e silêncio
Desespero e euforia
Eu, de mim,
E o infinito
E o que dizer não sei
Mas sinto.
  
by Paulo César, em 03.JUlho.2009, pelas 20h00

sinto-me: euforico
Palavras chave: , ,

publicado por Paulo César às 20:24
link do post | comentar | ver comentários (5) | Adicionar às escolhas
|

Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006
Ode aos amigos

 

     

É QUE HOJE FIZ UM AMIGO...

 

 

0002sbwz 

 

E, COISA MAIS PRECIOSA

 

 

NO MUNDO, NÃO HÁ!

                        

      

" Se alguma vez
Me sinto derrotado
Eu abro mão do sol de cada dia
Rezando o credo
Que tu me ensinaste
Olho teu rosto e digo à ventania
Yolanda, Yolanda
Eternamente Yolanda
Yolanda
Eternamente Yolanda
Eternamente Yolanda "


(excerto da canção "Yolanda", de Chico Buarque)


Palavras chave: ,

publicado por Paulo César às 03:46
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

Dádiva

O suor das palavras

Ode aos amigos

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds