Sábado, 11 de Novembro de 2006
Falando alto

Apetece-me tanto dizer
ao vento que passa
o silêncio que vai dentro de mim!
Gritar como se gritando fosse viver
para além da desgraça
que corre indiferente por aí!
Olho e quanto vejo nada é...
Os homens como eu o que desejam?
Que sentimentos nutrem? O que os move?
Que passado carregam e que futuro almejam?
Apetece-me tanto sentar à beira praia
e rasgar a areia com as minhas mãos
vazias, nuas, gretadas,
e chamar as gaivotas que rumam a norte
para lhes dizer do meu silêncio!
Por fim só me apetece estar aqui,
esquecido de mim,
a encher de palavras esta folha lisa
certo de que quanto ficar dito
será o meu testamento.
Não o testamento dum morto;
mas o atávico testemunho
dum homem que teima estar vivo
para se sentir capaz de viver.
 

by Paulo César, em 11.Nov.2006, 23h00
 
 

sinto-me: Solitário
Palavras chave: ,

publicado por Paulo César às 22:46
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds