Sábado, 12 de Agosto de 2006
Quando tudo for silêncio...

Quando tudo for silêncio
Diz-me olá e vai-te embora!
Leva contigo a memória
E no torvelinho do tempo
Escreve um epitáfio que fale
De tudo e do nada que fomos!



Quando tudo for silêncio
Deixa que o tempo se esqueça
De relembrar o passado
E adormeça de mansinho
Sem cuidados ou desvelos
Como se nada mais houvesse!

Quando tudo for silêncio
Pára um pouco e faz...
Silêncio!



by Paulo César, em 16.05.06

sinto-me:

publicado por Paulo César às 02:27
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Auto-dissecação

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds