Segunda-feira, 1 de Agosto de 2011
Carta a meu pai...

Pai e filho (fonte: Google)

 

Ontem, tinhas o olhar de ver muito além

E levavas pela mão este, que era quase ninguém;

Sorrias o teu sorriso de encantar

E achavas estórias de sonho na chuva e no luar;

Pintavas de sonoros azuis e verdes o amanhã

E nada retardava a passada desse teu afã;

Tomavas as dores como um alento ou elixir

E dizias, por gestos únicos, o amanhã, o porvir!

 

Ontem, havia pirilampos num arrebol de alfazemas,

Nas noites quentes dum estio de cansaço e dilemas;

Rios de suor e esperança a inundar as Ave-Marias

E um quase sussurro erguia-se das entranhas dos dias;

Ainda que desmaiasse o querer, logo o dever mandava

Que descosesses a sorte e, a sina mudava,

Ao mando das mãos e do teu corpo enxuto,

Que se firmava na honra do ser impoluto!

 

Ontem, nas horas amargas, sobrava o futuro

E um sonho crescia a par de ti, esforçado e puro,

Dando cor às cores dos campos sóbrios, floridos,

Desses tempos mornos e lentos, intensos, mas idos!

 

Hoje, o olhar esmaeceu, como se a aurora nublada

Trouxesse consigo o tantã dos dias e de rajada

Tudo fosse apenas pouco, ou quase nada…

Hoje o tempo cavou sulcos no teu rosto cru

E deixou que a alma esmorecesse e mostrasse, nu,

O ser que guardavas na concha da vida: tu!

Hoje, os dias esgotam-se no lento fugir das horas

Sem luares de riso, nem chiadoiro de alcatruzes nas noras!

 

Hoje, sei, pastoreias a memória e guardas, no cós

Das desventuras, um diário feito de cicatrizes e nós

Que denunciam o medo, a dúvida e a saudade atroz.

E o silêncio, que fala e gesticula e grita, quando te calas,

Diz mais do que queres dizer e, quando falas,

As palavras saem a meia voz, ecoando pardas e ralas!

Hoje, a luz que se projeta em ti, faz-te, ainda mais,

O homem que se fez homem no labor cativo dos ais!

 

Hoje, o sol e a lua nascem e morrem sem qualquer clamor

E as estações do ano chegam anónimas e partem sem fulgor!

E se, nas copas exaustas, o vento dá e amedronta o passaredo

Não é por ele que chega o futuro, que ainda é segredo!

 

Amanhã… Que notícia trará o tempo que há-de vir

E que estrondo de trovão rasgará o silêncio fazendo ruir

A certeza de que nunca te perderei e te perderás?

 

Amanhã, depois que descer o agora e depuser, em paz,

O seu cetro real, que ainda empunhas, que restará,

Que não seja a alegria, a honra, a gratidão e o amor, papá?

 

Ontem, hoje e amanhã… enfim!

Sempre seremos um só…

Carne da carne, pó do pó...

Eu de ti; tu de mim!

 

 

Em 01.Ago.2011, pelas 08h00

PC


Palavras chave: , , , ,

publicado por Paulo César às 17:37
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds