Domingo, 28 de Novembro de 2010
Po.Ética - Primeiro

 

Quando o sol nasce vem nu,

Despido de preconceitos racistas,

Aquecer todos por igual

E espalha os seus raios a granel

Em todos os cantos escondidos…

 

Nos campos aloira os trigais,

Nas montanhas derrete a neve,

Nos bosques desperta as lagartixas,

Nos ribeiros espelha-se nas águas

E ri-se de mim quando lhe faço caretas!

 

À noitinha deixa-me com um adeus suave,

Manchado de cores de oiro e vinho doce

E vai dormir um sono largo nas paragens invisíveis do meu sonho

Até que, sem ruído, volta ao outro dia

- nu sempre e mais rosado –

E abrindo-me as janelas de par em par

Vem deitar-se sobre a colcha amarfanhada

E ronronar nos meus braços nus

Como um gato bonacheirão!

 

Em 17.Mar.83

PC


Palavras chave: , , ,

publicado por Paulo César às 11:22
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds