Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009
O novo pinheiro de Natal

 
E
se
o mar
revolto
se tornasse
no cadinho
onde o tempo
perpetuasse o infinito?


Plantaríamos fogos fátuos

nas montanhas lunares e nos

equinócios escreveríamos sinais

e com lumes acesos aqueceriamos

os silêncios e as solidões alheias e nuas

para que de cada nova noite se soltasse

um grito mais e tantos que o coro de todos eles

fosse a seara ondeante dum trigal de espigas loiras

sem ses
nem mas
nem talvez
nem nada
que não fosse
sorriso e luz
alegria e paz!


E ainda assim este poema tem a encimá-lo o se que tanto doi a quem só tem dores para desfiar à lareira dum fogo que não arde, porque a esperança está prestes a morrer no borralho da cinza quase extinta!


Apesar do pinheiro verde, cinzento é quase tudo o que à sua volta se move impaciente e impassível, no alheamento dum tempo frio onde os corpos gangrenados se escondem sob papelões velhos a mitigar o abandono dos simplesmente abandonados!

 

by Paulo César, em 24.Nov.2009, pelas 20h30

 


sinto-me:
Palavras chave: ,

publicado por Paulo César às 09:54
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

3 comentários:
De Utopia das Palavras a 27 de Novembro de 2009 às 17:47
Paulo

Gostei imenso deste poema e ainda gostei mais da maneira como o construiste. Bonito de verdade!

Gostava que me desses autorização para o poder utilizar, durante a época de Natal, sendo obvio que irei colocar a sua autoria.

Aguardo a tua resposta!

Beijo


De Paulo César a 27 de Novembro de 2009 às 18:17
Olá Ausenda,

Permissão concedida!

E obrigado pelo carinho e incentivo!

Bom fim-de-semana!

PC


De rosafogo a 28 de Novembro de 2009 às 23:03
Vim ler tudo o que estava para mim em atraso, pois querido amigo, como sempre fiquei encantada, pudera,
com tanta coisa bela não é para menos.
Confesso que ando muito atrasada nas leituras dos
blogues dos amigos, porque aquele Luso poemas leva-me
o tempo todo, é que já ando mais devagarito.
Estás de parabéns, eu adoro aqui chegar, já sei que
tenho sempre bons momentos de leitura.

Tirei umas fotos à nossa cidade e vou postar brevemnete.
Abraço com muito carinho
da lapense

natalia


Comentar post

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds