Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009
Grito do Ipiranga

 

Vinde vós os que calais as mãos calejadas

e tropeçais nas palavras a esconder razão

e com olhares pequenos alcançais o sonho

de escalar a dor e a imensidão


Vinde e desafiai o vasto e o longe

quietas silhuetas que o luar descobre

cavai as distâncias em passos de febre

veredas sinuosas onde o suor é nobre


aviltadas figuras de tantos silêncios

rostos de granito sem alma nem deus

frios corpos onde o sangue coalha


cravai a revolta na ponta da espada

esconjurai o medo, movei terra e ceus

erguei o pendão, preparai a batalha

 

(que a hora é de quantos não têm voz,

mas têm dignidade!)

 

by Paulo César, em 04.Nov.2009, pelas 19h15

 


Palavras chave: , , ,

publicado por Paulo César às 19:37
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds