Sábado, 2 de Setembro de 2006
Azul e outras cores


Não sei a cor do mar,
nem sei a cor do céu...
Cansei-me a perguntar,
ninguém me respondeu!

Desconheço a textura
e o sabor da água fresca...
Perdi-me na loucura
da busca ... Nada me resta!

Ao acaso vou seguindo
na loucura do momento
o meu choro mostro-o rindo
envolto em fingimento.

Sou cigarra e não formiga
muito canto e pouco faço
encontro-me no desencontro
no tempo do meu cansaço.

Respiro para viver
já que sem ar morreria...
Mas quem é que quer saber
de quem sou ou quem seria?

Amargas dores, mofinas,
como agulhas que picam
horas sem fim, contínuas,
que quanto mais passam, mais ficam.

Assim é este que sou,
feito de azul e outras cores
pedaço de tudo o que amou
migalha de tantos amores.

by Paulo César, em 2.Ago.2006, 23h20


publicado por Paulo César às 23:05
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds