Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009
Nunca

Nunca te direi adeus,

ainda que partas.

- A amizade perdura

para além do olhar!

 

Nunca te direi adeus,

ainda que morras.

- O amor não fenece

no coração de quem fica!

 

Nunca te direi adeus,

ainda que, ausente,

faças por apagar

o tempo e a memória!

 

Nunca direi nunca

certo de que jamais entenderei

o valor e o peso de palavras

inúteis!

 

Redondos vocábulos

feitos de letras proscritas,

que crescem em ambientes salobros

onde a pestilência domina?

 

Nunca!
 
by Paulo César, em 19.Set.2009, pelas 09h00

 


sinto-me: confiante
Palavras chave: , , ,

publicado por Paulo César às 19:53
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Auto-dissecação

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds