Terça-feira, 15 de Setembro de 2009
Balada para o silêncio todo

Sento-me!

Tomo para mim

o silêncio todo,

aquele que se desprende

das palavras que tento dizer

e subtraio aos poemas

a aguardar outras rimas,

outras ressonâncias.

 

Sorvo-o e com ele

alimento o humus

sanguineo,

no tic-tac compassado

e compassivo

da respiração controlada,

enquanto olho o nó górdio

da minha inquietação

vagarosa.

 
Distendo-me,

abandonado e incoerente,

no sopé da teimosia,

espelhando nas sombras,

que me perseguem,

a dicotomia dum ser

surreal

de tão palpável.

 

Onde vou

levo-o

(e ainda que o não levasse

ele iria por si mesmo)

e com ele estabeleço

acordos e disputas,

risos e lágrimas

nos unem

e por vezes unificam,

e um sentimento

de amor-ódio nos irmana

até nos dilacerar.

 

Quando me regozijo,

ele acicata-me!

Quando me penitencio,

ele toma o peso e alivia

a pena!

Quando me abandono

e procuro o degredo

e a perdição

do regresso às origens,

ele abre as janelas

e ilumina todo o espaço

para que não desista de nada!

 

Quando nada me resta

para além de mim mesmo,

ele surge do imponderável vazio,

assenta arraiais

e fica por aí

deambulando sem destino

a tornar imenso o tempo

e reconfortante o espaço!

 

E é em silêncio que o tomo

como confidente,

falando-lhe, por sinais,

o dialecto da comoção

e do encantamento!

 

by Paulo César, em 14.Set.09, pelas 23h00

 


sinto-me: calmo
Palavras chave: ,

publicado por Paulo César às 08:39
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

3 comentários:
De Utopia das Palavras a 17 de Setembro de 2009 às 00:31

Tomo para mim

o silêncio todo,
aro amigo

Dos melhores poemas que li de si e de tantos outros blogues de poesia, um poema forte, amuralhado de ternura,o título também ele o prenuncio de um poema belo!Foi muito bom passar por aqui!

"...aquele que se desprende

das palavras que tento dizer

e subtraio aos poemas

a aguardar outras rimas,..."

Um abraço



De Paulo César a 17 de Setembro de 2009 às 14:03
Olá Ausenda,

Obrigado pelo comentário, que é um incentivo para mim.
Como bem sabe, há dias e dias, e nem sempre o que queremos dizer sai como gostariamos. Este foi talvez um dia SIM...

Tenho passado pelo seu espaço. Comento pouco, por uma questão de feitio e de tempo, mas não ando arredado.

Mais uma vez, grato pela visita.

PC


De rosafogo a 19 de Setembro de 2009 às 22:49
Belo, belo como todos os que aqui leio.

Lá estás tu: gostas de todos, pudera, onde se vêm outros assim? Este já me estava a escapar, porque com o tempo todo lá pelo Luso, estou a ver que tenho de arranjar uma secretária, que esta agenda anda demasiado prenchida.
Olha lá Victor então ainda não há notícias?

Diz qualquer coisa, quando puderes.

beijo amigo
natalia


Comentar post

Setembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

A morte verdadeira

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds