Sexta-feira, 6 de Março de 2009
PARA SEMPRE E ETERNAMENTE

 

Por perto há o silêncio,

Só o silêncio,

E uma quase ausência,

Como o abandono de quem parte

E deixa todos os lugares vazios

Tão cheios da sua presença

Omnipresente.

 

Algures vagueia a minha emoção

Ao encontro dos lugares

Onde se fundem as imagens

E se erguem mapas de viagens

Que nunca fizemos,

Porque o tempo fugiu de nós

Sem aviso.

 

Quando te encontrar por aí,

Havemos de rasgar as amarras

Que asfixiam o sonho

E nesse dia, ainda que tarde a hora,

Saberemos dizer tudo,

Mesmo que nas entrelinhas dum abraço

Ou nos fiapos imperceptíveis do olhar.

 

by Paulo César, em 06.Mar.09, pelas 18h00


sinto-me:
Palavras chave: , ,

publicado por Paulo César às 18:08
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Auto-dissecação

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds