Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008
Beleza e gratidão

No vagar silencioso das horas

amarro-me à margem

e prescruto o rumorejar das águas

caudalosas

ensaiando um hino de louvor

à fragância que se derrama

das plantas que atapetam o horizonte

em redor de mim.

 

Nada sei de flora

ou de geografia

ou de botonânica

ou do que me rodeia.

 

Mas sei que, mesmo não sabendo,

vale a pena olhar e ver

a beleza que inunda o espaço

sem que nada o impeça.

 

Obrigado!

 

by Paulo César, em 19.Nov.2008, pelas 21h30

 



publicado por Paulo César às 21:47
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Auto-dissecação

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds