Sexta-feira, 20 de Junho de 2008
Àparte o silêncio

 

Àparte o silêncio

os teus lábios sabem-me a mel

e nunca sei o passo seguinte.

 

Embrenho-me na timidez

de amar-te até à exaustão

e adormeço virado para o sonho

como se fora madrugada

o dia todo

e todo o dia fosse

a noite em que o amor

florescesse

girassol bravio

em busca da luz

que se escapa na vertigem

dos momentos vividos

passados...

 

Só então me pergunto:

Que sei eu de amar-te?

 

by Paulo César, em 20.Junho.2008, pelas 18h15


sinto-me: alegre
Palavras chave: , , ,

publicado por Paulo César às 18:14
link do post | comentar | Adicionar às escolhas
|

Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


Sobre mim
Pesquisar neste blog
 
Posts recentes

O NATAL POSSÍVEL

N A D A

A melhor maneira de amar,...

Amor platónico

Do alto da minha janela

Só por amor

As minhas asas

Alter ego

Talvez...

Auto-dissecação

Arquivos
Palavras chave

25 abril(3)

alegria(5)

amizade(4)

amor(32)

Análise(3)

angustia(3)

asas(5)

busca(14)

desejo(5)

dor(4)

esperança(9)

eu(5)

futuro(6)

gratidão(10)

grito(5)

homem(4)

interrogação(4)

introspecção(8)

liberdade(11)

luta(3)

luz(4)

memória(7)

morte(5)

murmúrio(6)

natal(3)

natureza(4)

olhar(3)

paixão(7)

palavras(10)

passado(3)

paz(4)

poema(5)

poemas(35)

poesia(148)

saudade(17)

sentimentos(3)

silêncio(10)

sonho(21)

terra(4)

vida(5)

todas as tags

Ligações
Participar

Participe neste blog

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds